Archive

Posts Tagged ‘SEO’

O que é SEO? – Você sabe realmente onde ele está dentro de um planejamento de marketing digital?

Algo que venho a tempos observando em vários pessoas do mercado, clientes, analistas de marketing e demais profissionais da área é a relação e contexto que o SEO possui dentro de um planejamento de marketing digital.

Por isso pergunto: Você sabe realmente o que é SEO?

Veja as respostas mais comuns atribuídas a essa pergunta:

  1. É um projeto que visa otimizar o site para os mecanismos de busca
  2. É uma ferramenta de marketing que tem como objetivo aumentar o tráfego do meu site
  3. Colocar meu site nos primeiros lugares nos mecanismos de busca

Bom, se você respondeu alguma das questões acima, posso dizer que você está “relativamente” certo, porém enganado no que realmente significa o SEO como um todo.

Search Engine Optmization = Experience Optimization

Logicamente, pelo termo traduzido do inglês para SEO, notamos uma nome que parece auto-explicativo mesmo, porém podemos nos convencer a cada vez mais pensar no “Experience Optimization”. Isso significa a otimização voltada para a experiência de seus visitantes, focada no site em vários fatores já falados e até repetidos pelo Google como fator de posicionamento: a experiência do usuário.  Ele resulta na a melhoria do seu site como um todo, características que vão desde a usabilidade, navegabilidade, conversão, layout até…resultados (mais vendas, tráfego , prospects)!

Voltado para isso (Experience Optimization) já temos a idéia de que o SEO não é apenas posicionar seu site para os mecanismos de busca, mas melhorá-lo como um todo, independente da fonte de tráfego que foi gerado. Isso gera maior tráfego, maior qualidade nos acessos e melhores performances.

Percebeu a mudança? Otimização para o usuário > Otimização para Mecanismos de Busca?

Mas, além disso, volto a pergunta inicial: O que é SEO (então)?

SEO e Marketing Digital: Onde ele está situado nesse planejamento

Em um planejamento de marketing digital, muitas empresas simplesmente esquecem ou ignoram o SEO, ignorando vários fatores por simplesmente não saberem o que é realmente o SEO e o ganho que eles terão em todo o planejamento de marketing digital voltado para o seu site.

Assim como o profissional de SEO não deve ter uma visão fechada do que faz, tendo cada vez mais focar em outros temas como o Social Media, arquitetura, oportunidades offline, usabilidade/navegabilidade, a empresa/cliente deve ter uma visão mais ampla dos benefícios que a otimização de um site, de forma bem feita, influência em todos os fatores para gerar os resultados esperados, e não apenas em resultados nos mecanismos de busca.

Ou seja, um site realmente voltado para o usuário e pensando na melhor forma de apresentar o seu conteúdo possui muito mais chances de sucesso em outros canais do que um site que simplesmente ignora esses fatores.

Dentro de um contexto de planejamento então, reparamos na imagem abaixo onde o SEO situa-se nesse mercado digital, com as etapas que os acessos terão, independente de sua fonte:

O que é SEO? Você sabe realmente o que ele significa em um planejamento de marketing digital?

O que é SEO? Você sabe realmente o que ele significa em um planejamento de marketing digital?

Percebeu como ele envolve todas as origens de tráfego?

Benefícios em diferentes Canais

Logo, podemos atribuir de cara alguns benefícios relacionados ao SEO em diferentes frentes e origens de tráfego:

Links Patrocinados:

  • Uma Landing Page bem trabalhada melhora o índice de qualidade de seu anúncio
  • Além disso, melhor a qualidade da visita e aumenta a conversão de seu acesso
  • Cada vez mais ambos estão ligados via Google Plus e (futuramente) via Google Shopping

 

Tráfego Direto:

  • Um usuário que acessar seu site terá sua navegabilidade e experiência melhorada pelas alterações do SEO
  • Após ter um acesso positivo, a tendência desse usuário voltar ao seu site é maior, o que é contabilizado pelo Google (Returning Visitors)
  • Esses fatores resultarão em fidelização de seus usuários e aumento de exposição em Brand

E-mail Marketing:

  • Para onde seu contato de database vai ser direcionado?
  • Uma Landing Page customizada e trabalhada faz com que realmente essa ferramenta gere melhores resultados
  • O destino é tão importante quando a aquisição de database e um fator controlável por você: usuário que clica no e-mail marketing e não acha o que quer, volta a clicar em suas peças e ofertas?

Social Media:

  •  Usuários de Social Media compartilham informações que acham importante.
  • Conteúdo de qualidade resulta em maior disseminação de seu sites nas mídias sociais
  • Maior exposição de seu site e Brand, além do estreito de relacionamento com seus visitantes/clientes

 

Por tanto, é sempre bom levar o SEO como algo que vai melhorar e orientar cada vez mais seu site para o seu visitante, o usuário! Aquele que vai levar seu site ao sucesso ou fracasso, independente do canal de origem.

Assim, pergunto novamente: você sabe o que é SEO?

Mecanismos de Busca: O processo dos usuários e suas intenções de busca (Influências + Personas) – SEO

O que são os Mecanismos de Busca? Basicamente são grandes “facilitadores” para o usuário web. Eles são capazes de ligar milhões, bilhões de páginas na internet, facilitando a vida de todos que o utilizam, procurando as informações mais relevantes para cada pessoa.

O que alguns sabem é que essa facilidade também é profissionalizada por empresas que querem aparecer da melhor forma nesses mecanismos de busca. Isso se chama otimização de sites (tema que abordamos constantemente nesse Blog) e que gerou um novo profissional: o Analista de SEO.

O que um Profissional de SEO faz também já foi falado nesse Blog, o que não é nada tranqüilo. Mas existem mais fatores. Muito mais. Os mecanismos de busca não são uma ciência exata e nem chega um momento que se estabiliza. Isso não existe. Digo isso pelo simples fato que fica por trás dessas ferramentas poderosas. Simples mesmo: O ser humano.

Decifrar o pensamento do usuário é uma combinação de fatores, que nem sempre são 100% acertivas!

Nada é mais difícil do que prever o que o usuário irá digitar nos mecanismo de busca, decifrar seu pensamento. Mas, é possível fazer algumas combinações!

Não é fácil prever o que o ser humano está pensando, o que pensou, ou o que pensará. Esse conjunto de pensamentos, ações e “moda” é o que chamamos de intenções de busca, que faz parte de um processo maior que veremos a seguir.

O processo "micro" dos Mecanismos de Busca

O processo "micro" dos mecanismos de busca é importante, mas não é tudo!

No processo micro, temos uma idéia mais fechada dos mecanismos de busca: usuário + ferramenta = resultados. Mas é só isso mesmo?

O caminho do usuário para os mecanismos de busca

Mais do que apenas otimizar um site, o trabalho em SEO é constante por esse fato citado acima, o ser humano. Isso quer dizer que a psicologia também está envolvida em todo esse processo. Estar atento ao mercado externo é primordial e fundamental para um bom profissional aproveitar da melhor forma o hype, a onda do momento. Cada vez mais os usuários estão interligando o mundo offline para o online. Ou seja, não basta olhar apenas para a web, os mecanismos de busca tem influência direta com o mundo real, e isso é ligado pelo próprio usuário, através do conjunto de suas ações e intenções. Esse caminho não é nada controlado, é totalmente independente e possui caráter social e físico.

Temos vários tipos de influências nesse mundo offline. Eu os classificaria como:

  • Influência Social: esse é um fator movido pela sociedade como um todo. As pessoas são movidas por fundamentos e concepções que já estão inseridas num contexto do próprio ser humano
  • Influência Sazonal: essas influências são geradas por períodos oportunos, como a chegada de uma nova estação, data comemorativa ou um espaço de tempo em que as idéias e pensamentos que são movidos com influências temporais.
  • Influência Viral: essa influência tem muita relação com a social, pois é um tipo de característica movida por um grupo de pessoas. Porém, é momentânea e de baixa durabilidade.
  • Influência Crítica: a necessidade das pessoas em se expressar ou saber a opinião de outros. É aquele princípio básico das pessoas em saber o que o outro acha em relação a tal assunto. As perguntas como forma de busca é um exemplo dessa influência.
  • Influência Pessoal: nada mais, nada menos que a vontade pessoal de cada um, de forma individual, seja através de suas vontades antigas, temporais ou apenas desejos. Esse tipo de influência é o que pesa para gerar uma determinada intenção e ação, independente dos outros tipos de fatores.
  • Influência comercial: esse tipo de influência é gerado pelo próprio marketing, propaganda e afins. São o que chamamos de criação de novas necessidades, exploração de necessidades básicas através da exposição das mídias ou assuntos relacionados.
Influências nos usuários geram novos tipos de intenções de busca!

Influências nos usuários geram novos tipos de intenções de busca!

Entendendo esses tipos de influências, temos o primeiro passo do nosso caminho macro dos mecanismos de busca. Como dito acima anteriormente, esse caminho inicial é totalmente independente!

Vamos a segunda parte desse caminho, que são as pessoas. Sim, os usuários, os próprios seres humanos que irão praticar a ação no reflexo de sua intenção de busca. Muitos gostam de classificar esses usuários como personas. Ou seja, classificação que generaliza as características humanas das pessoas que possuem personalidades semelhantes e que geram ações parecidas. Como eu gosto do nome, vamos utilizá-lo ao longo do artigo. De acordo com alguns estudiosos, temos a seguinte classificação (fonte: grokdotcom)

  • Competitivo: é aquele usuário que visa a rapidez e dinamismo na busca pela sua informação.
  • Metódico: como a própria palavra diz, esse usuário está ligado aos detalhes das informações. É capaz de ler posts inteiros em busca do que necessita por exemplo.
  • Espontâneo: Ao mesmo tempo em que também procura rapidez, procura informação em formatos diferentes, seja através de gráficos ou imagens coerentes que facilitem a interpretação.
  • Humanista: leva em consideração opiniões de terceiros na busca pela sua informação relevante.
E os usuários? Personas! Classificação genérica de usuários agrupados por um tipo de personalidade semelhante: Interessante não?

E os usuários? Personas! Classificação genérica de usuários agrupados por um tipo de personalidade semelhante: Interessante não?

E o que tudo isso tem relação com SEO?

Na verdade, tudo. Explico: o conjunto entre esses dois fatores externos (Influência + Personas) é o que gera as intenções de busca. É esse começo de processo (lembre-se, independente) que faz com que tal usuário busque por esse, ou aquele termo nos mecanismos de busca. Como já citado anteriormente, o ser humano é algo complicado de se prever, pois ele sofre essas influências constantemente, em conjunto com a personalidade de cada um.

Combinações entre influências e personas!

A combinação entre "Influências + Pesonas" geram inúmeros tipos de intenções e possibilidade nos mecanismos de busca: Fatores externos totalmente independentes de nosso alcance SEO!

Gosto de visualizar esses dois fatores como filtros que devemos “monitorar”, mesmo que seja impossível 100% de acerto, porém há a possibilidade de prevermos algumas ações. Atento a isso, o profissional de SEO que estiver com sua atenção voltada para esse processo  Macro, com a combinação entre Influências e personas ( que são externas e “independentes”), em conjunto com os fatores internos,  sairá na frente, seja através de um planejamento que gere resultados ou preparado para eventuais hypes que existirão na internet.

O processo macro é uma visão mais ampla dos mecanismos de busca, pois reúne fatores externos + fatores internos: ou seja, um processo completo que nos auxilia na previsão de intenções de busca

O processo macro é uma visão mais ampla dos mecanismos de busca, pois reúne fatores externos + fatores internos: ou seja, um processo completo que nos auxilia na previsão de intenções de busca

Você já pensou nisso? Seu site, ou o site de seus clientes está preparado para todo esse conjunto? Possui conteúdo voltado para as combinações corretas entre “influências + personas”?  Agora é com você. Let’s work, SEO!

Novidades Google Brasil: Saiba as principais mudanças e atualizações – SEO

E não é que o Google Brasil também está de cara nova. Você que entrou nele para pesquisar algo já reparou várias diferenças. O Blog Notícias Dinâmicas demonstra as atualizações e novidades que ele trouxe para nós usuários. Afinal, o que isso muda em SEO? Muita coisa, com certeza.

Novidades e ferramentas: Antes de notarmos as diferenças do Google Brasil

Antes de falarmos das mudanças, temos que entender e informar o que o Google já havia comunicado como novidade. Entre eles, temos:

  • Google Plus One: botão de compartilhamento que é incorporado as páginas nos sites, como forma de recomendação do usuário e que é apresentada nas SERPs.

  • Google +: rede social do Google. Isso mesmo, não é o Orkut, é uma nova rede! O Google fez seu anúncio oficial ontem (28/06), com vídeos e textos explicando de forma ainda superficial seu funcionamento. O certo disso tudo que nada é por acaso. Pelo próprio vídeo divulgado já notamos que o layout do Google + é bem semelhante a essas atualizações do Google Brasil. Coincidência? Acredito que não. Com tanta informação e ferramentas nas mãos a empresa vai fazer de tudo para integrar seu Arsenal de facilidades web para seu novo projeto de Rede Social. Nada melhor do que assemelhar o layout do maior site do planeta, não é?

  • Google Instant: essa ferramenta já estava disponível em outros países, mas chegou ao Brasil faz alguns dias. Basicamente, o Google mostra de forma instantânea os resultados de sua busca, mesmo antes de você terminar de digitar o que você deseja. Foi divulgado um vídeo muito bacana para esse lançamento com a participação de Caju e Castanha, como vocês podem ver abaixo.

Página Inicial do Google Brasil

Logo de cara já reparamos as diferenças. Vejamos abaixo uma imagem antes das atualizações:

Serp Antiga do Google brasil

Página inicial do Google Brasil do dia 28 de junho 2011. Simples e prático, não?

E agora, como ele está:

Nova Página Inicial do Google Brasil

Aspecto do “novo” Google Brasil do dia 29 de junho de 2011. Mais moderno e com características já presentes em outros países.

Pois bem, notaram as diferenças agora? O Google Brasil vem com várias características que estavam presentes em outros países, como o Google US e UK. Para o Brasil, essas mudanças coincidem com vários anúncios que a poderosa empresa mundial noticiou nos últimos tempos (vamos falar sobre isso no decorrer do artigo). Vamos então às mudanças diretas:

  • Menu Superior do Google Brasil está preto, isso mesmo. Em contraste com o “branco” padrão do buscador (caso você não utilize imagem de fundo) orienta diretamente os olhos do usuário às diversas ferramentas disponibilizadas pelo Google. Além disso alterou o posicionamento da Ferramentas de idiomas e Pesquisa Avançada, colocando-os ao menu dropdown à direita junto com as configurações. Isso tonifica cada vez mais a visão de que o Google já não é mais apenas um Mecanismo de Busca, mas sim um integrador de ferramentas e aplicativos web. Com a chegada do Google Cloud por exemplo isso fica bem explícito
Novo Menu Superior da Página Inicial do Google Brasil

Novo Menu Superior da Página Inicial do Google Brasil

  • A área de Busca ficou mais limpa ainda, com ganho de modernidade nos botões “Pesquisa Google” e “Estou com Sorte”, alterando até a fonte e negrito. É bem provável que o Google Brasil comece a utilizar a área onde consta a frase “Conheça o Google Instant e veja resultados enquanto digita.” para eventuais lançamentos e mensagens da empresa aos usuários:
Caixa de Busca do Novo Google Brasil

Caixa de Busca do Novo Google Brasil

  • O rodapé também deixou a área central da página inicial mais clean. Ela ficou ainda mais abaixo do site, além de ficar localizado mais à esquerda também:
Parte Inferior da página inicial mudou de lugar
Parte Inferior da página inicial mudou de lugar

Resultados de Busca – SERP Google Brasil: Antes x Depois

Com certeza as principais mudanças ocorreram nas SERPs no Google Brasil (resultados de busca). Foram tantas novidades e outras que nem pegaram tanto assim de surpresa para quem já é ligado na área de Search, mas vieram de uma vez só. Uma área que até então era o padrão “Azul-Branco” se transformou e chegou com várias cores e fontes diferentes, além de ferramentas que atraem cada vez mais os olhos dos usuários para o clique.

Já falamos sobre esse enriquecimento nas SERPs e o foco que as empresas devem ter em seus snippets ricos para obter um melhor CTR. Mas vamos por partes, que as atualizações, como disse, foram importantes.

Visto as novidades que tivemos, vamos ao que interessa para o SEO: Os resultados de busca. Antes das atualizações. Padrão “Azul-Branco” nos snippets , URL abaixo do description e várias outros visuais que “lembramos” bem:

Resultados do Google Brasil antes: padrão “Azul-Branco”

Resultados do Google Brasil antes: padrão “Azul-Branco”

Agora, com todas as atualizações e novidades, nós temos:

Novidades do Google Brasil nas SERPs: cores, Snippet, ferramentas, design, fontes...muita coisa!

Novidades do Google Brasil nas SERPs: cores, Snippet, ferramentas, design, fontes...muita coisa!

Mais uma vez de cara reparamos várias mudanças, desde as cores, diagramação do snippet, design e layout. Vamos por partes então, não é melhor?

  • A primeira mudança que temos bem clara é em relação a caixa de busca localizada na parte superior. O botão de “busca” ganhou uma cor azul e ícone de Lupa, deixando-o mais moderno. Além disso, foi incorporado o tom cinza claro ao fundo dessa área, distinguindo-se de forma sutil dos resultados de busca. Creio que essas mudanças têm muita relação com o Google +:
Menu Superior tem design semelhante a nova rede social anunciada pelo Google: Google +

Menu Superior tem design semelhante a nova rede social anunciada pelo Google: Google +

  • O menu lateral, com os diferentes tipos de pesquisas disponibilizados e ferramentas do Google ganharam cores novas. O “Azul-Branco” passou para o “Preto-Cinza-Vermelho”, além do alinhamento com o design em tons de cinza da parte superior.  Os ícones ficaram mais suaves e a diagramação das informações ficou mais espaçada, dando um visual mais limpo:
Menu Lateral das Serps acompanharam o novo design: cores e fontes

Menu Lateral das Serps acompanharam o novo design: cores e fontes

  • Os snippets ganharam cara nova.  A URL por exemplo passou diretamente abaixo do Title, junto com link “Cache”. O link “Similares” sumiu (mas pode ser utilizada pelo operador na caixa de busca “related:URL.com.br”). As fontes também estão diferentes, maiores e mais alongadas. O tom de azul do título e outros links do Google também se diferenciam:
Novos Snippets: ordem da URL e cores

Novos Snippets: ordem da URL e cores

  • Plus One: já falamos sobre essa “novidades”, porém nas SERPs isso vai ter importância direta no CTR. O Google já se pronunciou que a ferramenta não afeta diretamente no posicionamento da empresa, mas tem influência direta no clique do usuário. Afinal, quem não quer a credibilidade dos próprios usuários relacionada ao sites e ao resultado de busca? O Google atento a isso, forneceu a ferramenta e cabe cada empresa estabelecer sua estratégia para incorporar esse benefício em prol próprio. Lembre-se da importância do Snippet para o clique do usuário:
O Plus One chegou ao Brasil!

O Plus One chegou ao Brasil!

  • Os links patrocinados também estão nessa onda. O anúncio sofreu as mesmas alterações do Snippet e incorporou o Plus One ao lado do título:
Links Patrocinados: se mudou o Snippet em SEO, mudou também o Anúncio para PPC. O Plus One também foi incorporado.
Links Patrocinados: se mudou o Snippet em SEO, mudou também o Anúncio para PPC. O Plus One também foi incorporado.

Conclusões e impactos

É difícil saber qual realmente vai ser o impacto nos acessos orgânicos de seu site com todas essas atualizações. Desde a inclusão do Google Instant, até o Plus One, várias métricas terão diferenças. O Google caminha a passos largos para o review do usuário como fator de posicionamento, com integração de redes sociais e o anúncio de seu próprio projeto, o Google +, além de incorporar (ao que parece) o design dessa nova rede com o mecanismo de busca. Ao profissional de SEO, cabe alinhar a sua empresa/site para se beneficiar com tudo isso que foi passado acima. São mais e mais fatores para ficar atento.  Com esse artigo espero deixar mais lúcido com suas idéias através das mudanças que o Google Brasil teve. Vamos trabalhar o cérebro e ser criativo nas soluções que possamos tirar proveito disso tudo.  Let’s work, SEO!

Snippet Google : Dicas rápidas e sua importância para atrair o clique do usuário

Dessa vez, priorizando o dinamismo na informação, venho levantar alguns questionamentos que devemos ter em relação as mudanças no mundo SEO.

Você já parou para pensar nas redes sociais como fator de posicionamento?

Posicionamento não é tudo: Olhe para o que o Google nos orienta (Mídias Sociais como enriquecimento de seu Snippet = CTR)

  • Quais os atributos, hoje disponíveis, que fazem enriquecer (e destacar) seus snippets? Compartilhamento de amigos? Chegada do Plus One?
  • Imaginou que as SERPs não seguirão mais aqueles padrões “fundo branco, link azul e texto”? Como simples cores podem orientar os olhos do usuário e convidá-lo ao clique?
Snippet "antiga" e simples

Títulos são importantes, mas não são tudo. Esteja preparado! Pense em como melhorar seu snippet!

  • Você utiliza de forma realmente atrativa seus snippets? Atribuiu fatores e vantagens competitivas ao seus descriptions?
  • Tem algum planejamento ou estratégia voltada para incentivar seus usuários a compartilharem a informação de seu site nas redes sociais?
Atratividade = CTR, logo, posicionamento concreto e sustentável!
O twitter já integra os resultados de busca de acordo com o compartilhamento de seus seguidores. Você tem uma campanha para aumentar e incentivar esse compartilhamento no seu site?
  • Olha constantemente o CTR de posicionamento do Webmaster Tools? (CTR vale um post separado e aprofundado)
  • Pensou que se posicionar hoje em dia é uma coisa, e manter esse posicionamento nas SERPs é outra?
Snippet e sua evolução: Hoje nos resultados já é totalmente perceptível
As SERPs terão cada vez mais interação e enriquecimento de recursos: você está preparado?

Pense nisso, as dúvidas surgirão. Manter o posicionamento é tão (ou mais) importante. O Google gosta de brincar e alterar o posicionamento das SERPs, mas apenas os resultados bem vistos pelos usuários é que são sustentáveis. Alinhar novos atrativos aos seus snippets atrai também o clique do usuário. Atratividade! CTR!  Invista em mídias sociais e estratégias que enriqueçam seus “anúncios” orgânicos, com reviews de usuários e compatilhamento. Informações que façam o usuário acessar o seu site. Exibição! Afinal, não adianta otimizar se não souber mostrar ao usuário. Conveça-o! O conteúdo é Rei sim, mas o usuário é quem manda nessa história. Fique de olho!

Análise de Site : Tecnologia x Web Designer x Publicitário x Marketing x Profissional de SEO ?

A análise de site tem vários pontos de vista. Se você perguntar para um profissional de tecnologia e pedir para ele analisar um site em questão poderemos ter um tipo de resposta:

“- O A+B não está sendo C, bem como a plataforma F não está encaixando com a E, que era o que deveria”.

Profissionais e análises de sites

Analisando sites na ótica de cada profissional : qual o correto da história?

Ótimo. Agora, vamos perguntar para um Web Designer:

“- A conjuntura das cores A+B não está condizente e alinhada com o menu C, nem transparece ousadia no look’n fell, tão pouco a fonte F é legível”.

Ok, e se perguntarmos para um profissional de marketing, ou até publicitário:

“- Não vende, não faz sentido”.

macado pensando: qual será?

... e cada tipo de profissional, seja de tecnologia, publicitário, marketing ou web designer tem um pensamento diferente para analisar sites.

Bom, tentamos. E perguntando para um profissional de SEO:

“- O que posso dizer é que esse site X não está tendo a relevância necessária entre A para B, assim como as informações C estão desencontradas, a arquitetura está bagunçada e possui pouco conteúdo. Suas funcionalidades não estão agradando o usuário, visto sua taxa de rejeição altíssima, os atributos On Page de cada página não estão bem definidas em conjunto com o tipo de Landing Page e associada às buscas dos usuário, bem como o volume de links internos não está ajudando. Vamos pensar como um usuário, essa página está sendo entregue com qualidade? É relevante? Tem todas as informações necessárias? Que tipo de busca fez com que os usuários chegassem até o site? E lá vem o Google Panda! Temos que nos atentar a isso, e o tempo de página? Possui conteúdo dinâmico? E…”.

Perceberam a diferença? Um pouco neurótico não é? Mas enfim, isso é culpa do nosso pai de todos, o Google.  Se perguntarem para mim, qual a resposta correta entre eles, eu afirmo: nenhuma!

Como assim, você deve estar se perguntando? Eu digo, nenhuma delas está correta, pois nenhuma delas está errada, esse é o ponto importante desse artigo. Quando pensamos em um site podemos ter vários pontos de vista, várias óticas e percepções diferentes sobre um mesmo assunto, isso acontece em várias áreas profissionais, é comum.

Cada cérebro é diferente um do outro!

Cada cérebro é diferente um do outro, cada ponto de vista, cada ótica ou percepção. Está aí o Homer para não nos deixar mentir.

Se o profissional de tecnologia possui conhecimento em uma área voltada para a questão técnica, é nesse ponto que ele vai tratar, talvez se esquecendo das demais características, porém é a especialização dele.

Para o web designer, não é diferente. Sua especialização está em tornar o site agradável, com uma usabilidade facilitada, cores e layout alinhados, e definir como os tipos de funcionalidades serão inseridas. Nada mal, não é? Eu também acho.

Para o publicitário (eu me formei em publicidade) ou profissional de marketing, que pensa na mensagem acima de tudo, ou na própria venda e objetivos que criaram a demanda, temos uma ótica intrínseca, subjetiva e muitas vezes pessoal de certa forma. A empresa (vide diretoria ou superiores) requer uma demanda, esses profissionais escrevem o briefing, de acordo com seu conhecimento e experiência. Muitas vezes, eles pensam em algo e o primeiro resultado que vem das agências (e profissionais de web designers) são outros. Nada de anormal nessa história, afinal, cada um possui cérebros diferentes. Estranho seria se fosse exatamente o que o cliente quer. Mas nenhum dos dois estão errados.

Outro ponto de vista, e o que mais me deixa fascinado é o do profissional de SEO. Sua percepção vai aumentando, na medida em que os mecanismos de busca (e nosso pai de todos Google) vai enriquecendo seu algoritmo e incluindo cada vez mais fatores e variáveis para definir o posicionamento de um site nas SERPs. Afinal, imagine comigo: até anos atrás, um bom profissional de SEO (mesmo que a área seja “nova” no Brasil), pensava em um número X de fatores nos sites.  Hoje em dia não. O profissional de SEO tem que pensar e monitorar desde as boas e velhas “aplicações On Page”, até praticar o relacionamento para tentar “beliscar” um link em outros sites (link building), ao mesmo tempo em que tem visão analítica das métricas e seu domínio em suas mãos para monitorar um projeto de otimização, bem como (e cada vez mais) tem que olhar e integrar seus sites com as mídias sociais. Isso são só algumas coisas hein! Sem falar que é necessário também saber pelo menos o básico em programação, arquitetura da informação e conteúdo otimizado eu levaria mais 100 dias escrevendo esse artigo! Sem falar da questão estratégica, SEM (Search Engine Marketing) e inovação nas aplicações tecnológicas! Uau! Mas que ninja então esse profissional de SEO, não é?

Profissinal de SEO = Ninja!

O profissional de SEO é praticamente um ninja! Sempre atento as mudanças do ambiente, se adapta a qualquer estilo e te flexibilidade para estudar assuntos novos! Ninja!

Bom, se levarmos em consideração que, nem o Google sabe direito o que é bom para o usuário, e fica brincando e testando os posicionamento nos mecanismos de busca, “inventando” novas métricas, plugins e ferramentas para monitorar os sites, não serão os profissionais de SEO que terão todas as respostas. Ninguém o culpa por isso, afinal, não é fácil para uma máquina decifrar as vontades e intenções humanas.

Por essa situação toda, me atrevo a afirmar que todos os profissionais (tecnologia, web designer e publicitário/marketing voltado para a web) deveriam estudar SEO, pelo menos o básico. Ou então, que o bom profissional de SEO poderia trabalhar em qualquer uma dessas áreas, afinal, já possui um pé em cada uma, mesmo que não de forma tão profunda, mas possui traços e aptidões para isso.

O que me leva a afirmar isso é justamente esse dinamismo que o Google tem em alterar sua característica. Nenhum outro profissional na web é “refém” de um fator tão decisivo, que impactará diretamente no trabalho de um profissional como no SEO e seus resultados/objetivos. É como se estivéssemos em um navio sem direção, a deriva e indo de acordo com o agito do mar, totalmente flexível, podendo ir para o norte, para o sul e depois voltar para o norte. Ou pelo contrário, vice-versa. Louco não?

No navio, a deriva, refém do mar "Google", o profissional de SEO tem que ter conhecimento para saber onde irá!

No mar agitado do Google, o profissional de SEO fica refém das novidades e informações do nosso pai de todos os buscadores.

Mas é assim que muitas vezes acontece, muitas mesmo. Quem está nessa área sabe disso, e quem vai se destacar no SEO é justamente quem correr atrás para tentar se antecipar em busca (olha a busca aí!) desses novos conhecimentos que nosso pai Google nos vai ensinando gradativamente, seja nos presenteando com novos códigos no analytics, funcionalidades e interação com mídias sociais, entre outros. Muito estudo, inteligência, força de vontade e capacidade de adaptação. Essas são algumas marcas de um bom profissional de SEO.

Portanto, mesmo que nenhum desses profissionais estejam corretos em suas respostas (até por que não estão errados), leve bastante em consideração a opinião de um profissional de SEO para analisar seu site. Afinal, não é fácil trabalhar num mar agitado, na proa, sem salva-vidas, sem apoio e tentando se equilibrar, torcendo também para o barco não afundar, não é mesmo?

SEO: Page Speed – Tempo de Carregamento -Saiba sua Importância para o Google

Cada vez mais os programadores e webdesigners desenvolvem ferramentas, plugins, widgets, apresentações em flash ou diversas formas de deixar a página mais atrativa para o usuário. Até anos atrás isso não acontecia, porém com o desenvolvimento de linguagens, novos recursos para os profissionais, novas necessidades dos usuários os sites estão cada vez mais complexos e interativos.

carregamento de páginas para o usuário - page speed

Você já parou para olhar o tempo de carregamento de sua página?

Com essa complexidade e interatividade toda, o site fica mais pesado. Por tanto, como ficará o carregamento dessa página para o usuário?

page speed - carregamento de páginas - seo

Com mais recursos, os sites tendem a ficar mais pesados, ocasionando maior tempo de carregamento - SEO

Pensando como um usuário

Pensando como um usuário, quantas vezes você já não acessou um site, porém desistiu depois de levar um bom tempo carregando as informações? Ou simplesmente algum arquivo faz o site travar na metade? Isso não gerou uma rejeição? Para o robô do Google funciona da mesma maneira (e funcionará com maior peso). Com uma página mais leve, temos um tempo de espera menor, aumentando a “experiência” do usuário, otimizando a apresentação de sua página aos bots do Google, melhorando também seu posicionamento. Ou seja, o Google como sempre levará a experiência do usuário como fator de relevância para os mecanismos de busca.

seo - tempo de carregamento - pensando como usuário

O usuário não gosta de páginas que demorem muito para carregar. Logo, o Google também irá "gostar"? Creio que não.


Google e as Ferramentas disponíveis

Que o Google já olha para o tempo de carregamento de página como fator de posicionamento, não é segredo, porém ele dá cada vez mais indícios que esse fator terá um peso maior nesses critérios.

seo - page speed - webmaster tools já indica page speed

Para lembrar: pelo Google Webmaster Tools já temos um panorama real do que o robô do Google enxerga como “Página Rápida” ou “Página Lenta” (Gwt > Google labs > Desempenho do Site). Como o seu site está em relação a isso?

Não é a toa que o Google mesmo já disponibilizava informações do Google Webmaster Tools, além de aconselhar a instalação do plugin “Page Speed”* para o Firefox, que faz essa mensuração do tempo de carregamento:

seo - tempo de carregamento de páginas - google e page speed

Plugin para Firefox - Page Speed: Google já orienta e indica sua instalação.

Recentemente, mais que essa simples “sugestão”, o Google está oferecendo mais um recurso para a mensuração do tempo de carregamento de suas páginas: a integração com o Google Analytics*. Através da aplicação de um código na tag atual instalada, “_trackPageLoadTime()”*, a interface fornecerá dados precisos sobre a velocidade de carregamento de seu site, conforme imagem abaixo:

Google Analytics - integração page speed - tempo de carregamento

Integração com Google Analytics: a empresa dá indícios claros de que o tempo de carregamento terá um peso maior nos fatores de posicionamento


Isso tudo não é à toa. O Google oferece todas as ferramentas para nós levarmos mais em consideração essa métrica para monitoramento, deixando claro que esse fator terá um peso maior para o posicionamento nas SERPs.

Análise Rápida do Mercado: Exterior x Nacional

Utilizando uma ferramenta gratuita para esse tipo de análise, o Pingdom*, que nos fornece o tempo de carregamento de cada arquivo na página, a sua ordem e o tamanho de cada um. Assim podemos analisar de forma mais profunda sites do exterior considerados otimizados e comparar com os nacionais.

Site: Amazon

Repare no tempo de carregamento, apenas 1,8 s. Os tipos, a ordem e o baixo número de arquivos também influenciam: Imagens em .gif levíssimos e apenas dois .css otimizados


carregamento de páginas - pingdom e amazon - speed test

Amazon, referência em SEO: apenas 1.8 segundos de tempo de carregamento e apenas 33 arquivos. Otimizado!

Comparando com um site brasileiro de renome no mercado nacional, notamos as diferenças claramente.

Site: Saraiva

Não há uma sequência lógica para o carregamento e os arquivos são pesados. Combinado com o alto volume (no total, 116 arquivos foram carregados), o tempo de carregamento da página chegou peto de 12 segundos!

Seo - speed test - saraiva - pingdom

Saraiva: Perto de 12 segundos de carregamento, e mais de 116 arquivos fora de ordem no carregamento de sua home. Onde fica a experiência do usuário?


Dicas para otimização no carregamento de sua página

Por tanto, devemos estar atentos ao tempo de carregamento de nossas páginas:

  • Busque páginas e recursos mais leves,
  • Localize os arquivos que mais estão pesando para carregar na sua página.
  • Ordene também o carregamento das informações com mais prioridade e que devem ser apresentadas antes ao usuário
  • Otimize seus arquivos!

Quem olhar e der um foco maior a esse fator, com certeza sairá na frente da concorrência. Fique de olho!

*Sites e fontes

Pingdom: http://tools.pingdom.com/

Page Speed Plugin: http://code.google.com/intl/pt-BR/speed/page-speed/

Google Analytics e aplicação da tag: http://www.google.com/support/analyticshelp/bin/answer.py?hl=pt&answer=1205784&ctx=cb&src=cb&cbid=1i8rfq2zs4y49&cbrank=0

Vídeo Page Speed

Abaixo, um vídeo do próprio Google (em inglês) tratando a respeito do Page Speed – Tempo de Carregamento das páginas do site

Tratando com palavras-chave e tráfego orgânico no Google Analytics com Leonardo Naressi – Olhó SEO 2011

Leitores do Notícias Dinâmicas, estamos chegando com mais uma palestra, uma das melhores da minha opinião. No Olhó SEO 2011, Leonardo Naressi apresentou para todos os presentes a palestra “Tratando com palavras-chave e tráfego orgânico no Google analytics”, e exibiu dicas importantíssimas e pontos de vista sobre o analytics tanto para profissionais SEO, como profissionais de web analytics.

palestra de Leonardo Naressi no Olhó SEO 2011 em Florianópolis

Leonardo Naressi apresentou no Olhó SEO 2011, Florianópolis - SC o tema "Tratando com palavras-chave e tráfego orgânico no Google Analytics"

De forma direcionada para dicas e tendências, Rafael palestrou sobre dados e ferramentas do Google Analytics que possuem peso e relevância em nossas análises no dia a dia. Confira abaixo nosso review da palestra, com opiniõe, idéias e informações relevantes para você leitor:

Apresentação: SEO

Rafael logo demonstrou a diferença entre tráfego orgânico (= natural, onde as pessoas buscam o que ela querem), onde os  usuários  deixam explícitos suas intenções de busca.

O que as pessoas estão querendo saber? Intenção?O que estão pensando?  Todas essas iniciativas refletem no modo como o usuário faz as suas buscas.

Cases e buzz: utilize e monitore o comportamento dos usuários

Enfim, tudo encaminha para intenções de busca, o buzz na internet altera e impacta nos formatos de pesquisa (razões externas, sazonalidades, buzz na web). O analista e profissional tem que sempre ficar atento a essas informações e fatores externos.

Google Analytics e sua função para SEO: Dicas e análises

  • Utilizar para seu objetivo básico: Otimização. Utilize os recursos que a ferramenta disponibiliza para você
  • Buscas por região e segmentação: Termos de buscas diferenciadas por regiões. Rafael demonstrou de forma clara como a pessoas buscam, por determinada região, termos que são sinônimos. É necessário segmentar essas palavras que geram acesso. Otimizar nessa linha de pensamento
  • Exemplo prático: Balada x Festa x Boate = SP x RS x GO (Como então otimizar?)
  • Cruzar dados por região e busca de termos que mais geram tráfego: prioridades dentro de um projeto de otimização. Já pensou em utilizar a tabela dinâmica do Google Analytics?
  • Presença de termos Brand x No Brand: análise feita para separar os termos por marca de um site
  • Procurar por sites dentro do Google:  facilidade no acesso (sem querer, via busca orgânica) . Ou seja, o  usuário procura acessar o site pelo próprio mecanismo de busca (isso acontece!)
  • Analisar as diferenças entre keyword x landing Page:  cada acesso diferencia-se pela intenção x resultado. Análise precisa da relevância do site a entrega das páginas corretas para o usuário
  • Analisar long tail: imprevisibilidade nas buscas partindo dos usuário, gerando um tráfego maior através da abrangência. Conteúdo! Muito conteúdo!
  • Com quantas palavras se alimenta o robô de busca:  monitore o número de keywords que geram acesso ao site, seja por landing Page ou de modo geral
  • Buscas em diferentes línguas:  nos EUA, os usuários tendem a buscar por menos keywords. Analise o comportamento dos usuários por região
  • Cada categoria de buscas possui “tipos” de busca diferente:  segmento de mercado, nicho, categoria incluída das empresa possuem um tipo de busca diferente para o usuário. Onde seu cliente está enquadrado nesse assunto?
Público da palestra de Analytics no Olhó SEO 2011

Público do Olhó SEO atento as dicas de Leonardo Naressi: Segmentação de Keywords, relevância e tendências!


  • Expressões regulares: designação para filtros específicos e tipos de procuras no Google, criando regras para textos e palavras. Explore os filtros existentes por essa linguagem
  • Use a API para exportar TODAS  as palavras chave: Recurso essencial para um bom analista
  • Excellent  Analytics: open source, free, direto no Excel  PLUGIN para visualizar dados no Excel. Dinamismo em suas análises
  • Atualização do Google Analytics: Fique atento, o Google analytics v5 vem aí
  • Utilize os funis multi-canais: cruzamento entre tipos de acessos, seja orgânico, direto, twitter, ou através de outras palavras. Explore os caminhos que os usuários fazem/entram em seu site, corrigindo erros e monitorando seu comportamento. Otimize!
  • Ferramentas do Google: Utilização de ferramentas competitivas, como keyword tools e insights. Faça o cruzamento de diferentes dados para melhorar suas análises!
  • Taxa de bounce: metas para incluir “script de scrool” (taxa de navegação do usuário), analise o tempo e taxa de conversão para 10s (por tempo), medir o bounce de acordo com o tipo de página que está sendo entregue ao usuário

Por tanto, o Google Analytics possui recursos que nem sempre são explorados pelos analistas. Use essa ferramenta como apoio em seu projeto SEO. Segmente, pesquise, analise mais profundamente. Rafael Naressi foi bem claro nessas questões em sua palestra no Olhó SEO 2011.

Por tanto, Notícias Dinâmicas sempre de olho em tendências, recomenda: mãos a obra para essas aplicações!